Como instalar/atualizar (flash) Android Lollipop (5.0) em seu Aparelho Google Nexus (5 ou 7 2012 e 7 2013)

Como instalar/atualizar (flash) Android Lollipop (5.0) em seu Aparelho Google Nexus (5 ou 7 2012 e 7 2013)

Se você possui um aparelho da Google, ou seja, da linha Nexus. Com alguns downloads e linhas de comando você já pode ter a última versão do Android, o Lollipop, agora mesmo. E vale muito a pena!

Se você está ansioso para ter a nova versão do Android e já andou pesquisando como fazer isso, certamente já ouviu falar sobre factory images, que são as versões oficiais do Google porém que não chegam OTA (automaticamente). E muito provavelmente você até gostaria de usá-las mas não sabe como. Se esse é o caso, esse tutorial foi feito exatamente pra você.

Aqui vai um aviso importate: este procedimento irá apagar tudo que estiver no aparelho. TUDO. Apps, senhas, configurações, fotos, tudo mesmo. Então faça um Back Up de qualquer coisa que você tenha interesse em manter.

1 – Em primeiro lugar é importante que a versão correta do factory images seja baixada:

Neste tutorial usamos o Nexus 7 2012 – Baixe a factory image aqui

google-developers

Todos os outros aparelhos: Acesse aqui

2 – Em seguida faça o download do Android SDK:

2014-11-12_12-29-351

Clique aqui e baixe o “Eclipse ADT Bundle” do Google. Este é o Android SDK. Ele é necessário para que você possa fazer seu computador se comunicar com o aparelho sem riscos. É o que os desenvolvedores usam!

3 – Descompacte (com winrar, winzip ou outro do gênero) o Android SDK (de preferencia na partição C:/ do seu computador). Execute o “SDK Manager”, dentro dele você irá precisar baixar o Google USB Driver, que deve estar marcado como padrão. Seria bom também atualizar o “Android SDK Tools” e o “Android SDK Platform-tools,” todo o resto você pode desmarcar e atualizar mais tarde (caso queira brincar com desenvolvimento para Android – o que é uma ótima ideia).

4 – Em seguida você vai precisar reiniciar seu aparelho no Modo Fastboot. É nele que toda a mágica acontece. Para acessar o Modo Fastboot desligue seu aparelho e religue pressionando o botão de ligar e de diminuir o volume (volume down) simultaneamente. Você verá uma tela com o Android aberto. (Alguns aparelhos exigem que se pressione os 3 botões (power, up e down) ao mesmo tempo.

5 – Agora extraia o conteúdo (zipado) da factory image que você baixou dentro da pasta “Platform Tools” de seu computador. Você deve ter entre outros arquivos os arquivos “flash all” juntamente com o “fastboot” da “Platform Tools”.

6 -Se o bootloader do seu Nexus ainda estiver bloqueado, entre em Mode Fastboot, com o aparelho conectado ao seu computador, e vá para a pasta adb-tools (dentro do Android SDK) e mantendo o botão SHIFT do seu teclado pressionado clique com o botão direito do mouse num campo livre na pasta e escolha “Abrir janela de comando aqui”, clicando sobre esta opção com o botão esquerdo do mouse. Basta digitar o seguinte comando: “fastboot oem unlock”. No seu aparelho selecione YES com o botão de ligar. Seu bootloader está desbloqueado.

7 – Hora de instalar/atualizar (flash) a factory image. Você precisa estar com o aparelho conectado ao seu computador (de preferência com o cabo USB original) e também precisa estar em Modo Fastboot. Na pasta “Platform Tools” clique duas vezes no arquivo “Flash-all.bat”, ele irã fazer todo o processo por você. Aguarde, seja paciente, o processo leva sim um bom tempo. Ele irá reiniciar seu aparelho automaticamente quando estiver pronto. O processo de reinicio do aparelho pode levar até 10 minutos, então não se assuste.

Parabéns você está rodando a última, e melhor, versão do Android.

4 Perguntas Mágicas a Se Fazer Antes de Criar Qualquer Design

4 Perguntas Mágicas a Se Fazer Antes de Criar Qualquer Design

Essas 4 perguntas são tão relevantes que arrisco afirmar que se você não tem a resposta pra cada uma delas antes de iniciar seu Design então o resultado será na melhor das hipóteses medíocre, possivelmente um desastre.

Criar o design pra qualquer coisa — websites, software, apps, anúncios de  TV, espaços físicos, documentos – é desafiador. Exige arte e ciência. E a maioria dos princípios não são possíveis aplicar em todas as situações. E os Designers acabam usando muitas  vezes a resposta: “depende”.

Porém essas quatro perguntas SEMPRE se aplicam. Sempre faça essas perguntas ao seus clientes quando for criar qualquer coisa. O mais interessante é que embora essas perguntas sejam bem básicas e simples na maiora das vezes o cliente não saberá exatamente como respondê-las.

Vamos para as 4 perguntas:

1. Qual é o público alvo?

Independente do que você está criando — quem irá usar com maior frequência? Quem você realmente quer que use? Todos acham que sabem qual é o público alvo até você perguntar isso a eles. Só então você e seu cliente percebe que os envolvidos na criação não concordam em qual é o público alvo. Se você não sabe pra quem você está criando, então por que é que você está criando um design mesmo?

2. O que o público alvo quer fazer?

Muito cuidado com suas ideias e especialmente com as ideias de seu cliente. Infelizmente na maioria das vezes os clientes (e podemos incluir a nós designers) querem criar algo que não passa nem perto do que o público alvo quer fazer com o produto ou serviço que estamos criando. Se você não estiver atento a isso, é muito provável que irá criar algo que jamais será usado.

3. O que você quer que o público alvo faça com o produto ou serviço? 

E as vezes existe um grande abismo aqui, porque as vezes o que você quer não passa nem perto do que o que o o público alvo quer .

Alguns designers as vezes se perdem porque se concentram apenas no ponto de vista do público alvo. Você precisa das duas perspectivas. É natural que o dono do produto ou serviço queria que o produto seja usado de uma maneira específica; querer que o usuário faça isso ou aquilo. Afinal de contas uma boa quantidade de dinheiro e recursos está sendo investido na criação do produto ou serviço. E na maioria dos casos esse investimento é para algo mais do que apenas satisfazer os desejos e vontades do público alvo. Muito provavelmente também há alguma meta ou propósito financeiro/corporativo. Mas será que os responsáveis pela criação sabem qual é essa meta ou propósito? Se a resposta for não, como será que o desejo do usuário e a meta financeira/corporativa serão equilibradas e alcançadas?

4. Qual ação é esperada do usuário nesse ponto do projeto?

Em cada ponto, em cada interação, em cada página ou tela, deve haver algo que se espera que o público alvo faça. O usuário deveria acessar uma tela, clicar em um botão, inscrever-se, etc. Será que o designer sabe qual é essa ação?  Se não sabe, como saberá o que criar? Se você quer  que o usuário faça algo específico então você deve criar com essa ação em mente. Se não existe nenhuma ação a ser feita, por que é que o produto ou serviço está sendo criado mesmo?

Faça essas 4 perguntas mágicas. Saiba as resposta pra elas. Só então você (e sua equipe – se for o caso) poderá criar um design (produto ou serviço) que será realmente usado.

O que acha? Você já faz perguntas como essas antes de começar um design? Normalmente as respostas estão claros ou nem se quer foi pensado a respeito do assunto? Será que existe alguma outra pergunta mágica que você considere fundamental para o processo de criação?

Share This